segue sem título

Enquanto na Casa das Rosas Andrea Catrópa debuta...

 

Nada mais providencial que essa foto:

candidatura do Rafael Prince para o

Concurso de Antipoetry Coelhos João

 

... continuo o tom “meu diário” desse blogue em franca decadência. Sim, porque agora que tenho que postar à noite, alta de sono, invento sempre de consertar no dia seguinte. Ou porque falo bobagens ou porque os posts estão fracos demais. Que horror.

 

Incrivelmente ando com poucas idéias para o Peixe, perdi o charme. E qualquer crise de criatividade no meu estado atual é avassaladora. Parece que é a única coisa que resta em mim. Ai, anda mal. Te digo. Já me deprimo previamente, que nojo.

 

Bem, no ritmo “meu diário”: termino o trabalho de Correntes Críticas, mais ai, ai, sempre aquém, mas não por vontade minha – passei por crises e crises, quem disse que sai a crítica-da-crítica-da-crítica assim facinha-vem-meu-bem? Estou indo agora lá entregar...

 

E nisso achei essa entrevista do Roberto Schwarz. É velhinha, de 2004, e com pauta muito previsível (ah, sempre a mesma coisa! parece esse blogue!), mas gostei de vários pontos.

 

Colo uma pergunta daquelas que sempre geram fofoca-em-tom-de-polêmica só para quem não tem mais o que criar se sentir intelectual. Sem crises, você aí, eu também li a entrevista. Putz, e realmente aquele texto dele sobre a Eugênia do Memórias Póstumas é foda... tá em Um Mestre na Periferia do Capitalismo. Chega, sai daqui e vá ler algo que vale a pena.

 

 

Pergunta ao Schwarz: Em paralelo ao desenvolvimento de uma crítica dialética, florescia uma outra crítica bem diferente no Brasil, comandada pelos concretistas, em especial pelos irmãos Campos, e entre as duas se estabeleceu uma intensa polêmica. Gostaria que você situasse um pouco essa questão.

Resposta: aqui.

 

E de pessoas que sei que quero muito, a Catrópa amanhã lança livro na Casa das Rosas. Com um Recital da coleção de poesia Caixa Preta, Editora Lumme. Serão lançados os Pincel de Kyoto, de Wilson Bueno, Mergulho às avessas, de Andréa Catrópa, e Poemas diversos, de Elson Fróes. Participam Horácio Costa, Andrea Catrópa, Virna Teixeira, Elson Fróes e Claudio Daniel. Casa das Rosas, 19h.

exploração fotográfica em lugar comum iii

 

| - Uma mulher presa em um corpo de homem, Gus? Nunca conheci nenhuma mulher em toda minha vida. Na realidade 3 e todas maiores de 40. O que acontece com as menores não sei. Aliás, sinto. |

 

| O próprio Freud até perguntou para a Maria Bonaparte (que era uma de suas analisandas famosas, escritora),

..........- Afinal, o que querem as mulheres? |

 

| - Um lugar, Bernardete, um lugar.

Sou bem tontinha e por isso mesmo é que sei de tudo. Machuca, é como se nenhuma canção, nem poema, nenhuma palavra servisse, não fossem para mulheres, nunca fizeram nenhum sentido, não fazem, eu sei – e, no entanto, o tempo inteiro eu ouço canções no rádio. |

 

| - Não, Daud, elas não existem. Eu mesma não existo. Elas não existem. E o problema é que estou a falar com você neste mesmo instante. Falamos aos milhões. |

 

| Não consigo ser criativa hoje, estou deprimida e tenho um arpão cravado na barriga. Sempre precisamos ter a sensação de um arpão na barriga para achar que temos qualquer coisa que nunca tivemos. |

 

| Só o feminino pode salvar o planeta. Mas como ele foi um animal extinto com a caça às baleias, eu não sei o que fazer. Aliás, sinto. |

 

GERAÇÃO VACAMARELA - muuuuuuu!

 

 

Fábio Aristimunho Vargas para vacamarela | 18 jun (3 dias atrás)

 

          Caros,

Acaba de sair o dossiê Geração Vacamarela, edição trilíngüe português-catalão-espanhol, na revista sèrieAlfa, do Joan Navarro. Vejam lá que está excelente.

 

http://www.sapiens.ya.com/joan-navarro/alfa/alfa38/primera.htm

 

a/b

Fábio

 

Andréa Catrópa para vacamarela | 18 jun (2 dias atrás)

                                

Legal, Fábio! Adorei o "geração vacamarela" - aqueles que foram para o brejo rsrs

Bueno, espero que não...

 

Paulo Moura para vacamarela | 18 jun (2 dias atrás)

 

puxa! ficou bem legal mesmo. 

fiquei emocionado, juro

 

Ana Carolina Marossi para vacamarela | 18 jun (2 dias atrás)

 

Faço minhas (quase) todas as palavras do honorável Paulom!

 

Ana Paula Ferraz para vacamarela | 12:54 (7 horas atrás)

           

Gente, fiz uma notinha 1 ovo, 2 colheres de açúcar, 1 pitada de sal.

Vejam o q acham.

 

Besos

Ana

 

Poetas brasileiros são tema de revista espanhola

 

Jovens poetas brasileiros ganham o mundo – em português, espanhol e catalão. Eles são tema da sèrieAlfa nº 38, revista eletrônica editada pelo prestigiado poeta valenciano Joan Navarro. Os 17 autores selecionados são integrantes do Coletivo Vacamarela, grupo engajado na divulgação e valorização da literatura contemporânea e que, entre outras atividades, realiza a FLAP – Festa Literária Aberta ao Público e O Casulo Jornal de Literatura Contemporânea.

 

Essa nova edição da publicação, que exerce um excelente trabalho de pesquisa revelando talentos do mundo, chega logo após o prêmio de difusão da literatura pela Associació d'Escriptors en Llengua Catalana (AELC).

 

A sèrieAlfa especial Geração Vacamarela pode ser conferida no link

http://www.sapiens.ya.com/joan-navarro/alfa/alfa38/primera.htm.

Andréa Catrópa para vacamarela | 11:03 (9 horas atrás)

Paulo e Carol, vcs me deram uma idéia que, acho, seria ótima para a Srta Rüsche levar adiante: a Parada P, onde todos os poetas iriam sair do armário. Imaginem como isso incrementaria o turismo de nossa intransitável São Paulo - poetas de toda a américa latina marchando por aqui. E a gente poderia reivindicar não só o direito a se assumir sem sofrer preconceito, a gente poderia pedir apoio às utopias presentes em todas as poéticas. Ou seja, defenderíamos o amor, a ecologia, o respeito aos direitos trabalhistas, o que nos permitiria receber não apenas P, mas todos os idealistas em nossa parada. Pensem nisso...como o grande empreendimento da Geração Vacamarela. rsrs 

Ivan Antunes para vacamarela | 13:35 (7 horas atrás)

          parada P é massa em...rs

boa idéia catropa.

 

ana rüsche para vacamarela | 13:48 (6 horas atrás)

anita!

uau!

manda ver - e cita também a revista lapsusweb (a peruana) que também salimos!

http://www.lapsusweb.net/pages/p09/vacamarela.htm#

 

ehhh, que legal!!!

 

catropa dearest!

(ainda pensando nas conversas de ontem)

no melho espírito do El Libro de Alan, aí vai um versículo para ti:

 

"|Alan 16:2| Buena la idea de Catropa, nada mal! haremos muchas cosas, estoy emocionado por Anomalias, ficou otimo!!"

 

e pode parar-tudo, que eu já sei como será essa porra de parada p - me dê mais 12 horas. será no domingo da FLAP!, a idéia já me "veio", hehe. aqui a gente só trabalha com pomba-gira "abaixada".

Paulo Moura para vacamarela | 13:58 (6 horas atrás)

ai! ai! a coisa ganhando as proporções anariamente monstruosas de sempre...

Andréa Catrópa para vacamarela | 15:00 (5 horas atrás)

ai, ai...se esses cérebros resolvessem trabalhar para o mal. ainda bem que a literatura desviou vcs do caminho do demo.

Thiago Ponce de Moraes para vacamarela | 17:00 (3 horas atrás)

Caramba, vocês estão elétricos! risos

ana rüsche para vacamarela | 20:55 (0 minutos atrás)

amores,

dêem uma olhada no peixe. é editável, por supuesto.

beijinho!

 

exploração fotográfica em lugar comum ii

Estou bem infeliz no momento. Não encontro por nada nessa internet (e veja que tenho um pacto diabólico com o google) um poema da Flávia Aparecida dos Santos, lá da Letras, cujo apelido esqueci, ai, ai. Queria postar. Um que fala de formigas. Vai ficar para outro dia.

 

Também estou infeliz no momento por vários motivos outros. Mas aí vejo essa foto de ontem, acho que dá para ver a desolação. E, no entanto, tem a palavra mais cara desse mundo, assim, abandonada. Hay que resgatar essas palavras dos auditórios vazios. Sem exagero, um dos piores dias da minha vida. E é bom saber que vc não é mais o músico a sós no palco, quando todos já foram e vc é obrigado a continuar cantando aos estofados brancos. Acho que já não me sinto sozinha. Hoje distribuí postais do El Libro de Alan.

 

 

Só para distrair, digo que participei do projeto de rádio da Andréa Catropa hoje, Ondas Literárias. Que lança livro na terça. Contarei, pode deixar. Li poemas para você, como sempre. Como tudo.

 

exploração fotográfica em lugar comum

 

"a prosa não adotando essa diversidade de juízos"

 

"a comicidade acaba funcionando como o elemento crítico no romance brasileiro". benjamín ante a crítica da crítica da crítica

 

ps.: ei, nada de comentar “puta, yo sufro!". e em breve novos candidatos do concurso anti-poetry...

ps.:

sólo te mencionaré algunas cosas

 

el viento, elemento que rige las ideas y el cambio

es la vida y representa los vientos de renovacion

(se llama Iq')

representa la pureza, la claridad

tu nahual es el colibrí

en tu día nació el viento

Iq' simboliza el espíritu vital,

relámpago, tempestad

corrientes de aire

es el viento, la ventana de los templos mayas

 

alimento de la mente, alimento divino

la energía que maneja las palabras

viento

la representación de la sutileza,

propicia las visiones, trae la belleza y la armonía

Iq' es el elemento que rige las ideas,

el espacio que existe entre el cielo y la tierra

 

(La persona que nace en este día

es fecundada ante el signo I'x o B'alam

 

 

Quanto mais assisto o vídeo, penso que uma de suas grandíssimas qualidades (além de comover pessoas – algumas, ao menos) é mostrar a gente assim meio normal, meio tontos, com comentários irrelevantes e falando besteiras, classe média deslumbrada, hehe.

 

Nada desse “artista” culto, inteligente, politicamente correto, com comentários precisos e chiques. Isso sim é bobagem. Senão fortaleceríamos a idéia de uma casta artista. O monopólio de galerias, de editoras, de espaços unibancos, hsbc e outros nomes de instituições financeiras. O artista como o deus, que esmaga os todos outros mortais incapazes de produzir algo digno de vendas. Algo assim, meio fálico, o Grande Homem.

 

Bobagem.

 

Todas as pessoas são artistas.

 

Talvez a saída seja ser um pouco mais femininos, fofos, criativos, amorosos. Enfim, a gente às vezes acerta exatamente onde nem presta atenção. Para ser artista, hay que tener também um poquito de suerte, jeje. Adoro vcs.

domingo

Bem, ontem tivemos reunião da FLAP! e sessão do vídeo do “El Libro de Alan” com pizza na casa do Caqui. Hoje acordei péssima de gripe (meu corpo sempre espera eu acabar projeto loucos para se manifestar – cultura colaborativa).

 

E encontrei a postagem-comentário do GuzikEle sempre entende.

El Libro de Alan, volume ii

 

 

[ANTES]  ah, sim, tudo isso foi melhor explicado pelo daud: http://homelupus.weblog.com.pt.

 

sinceramente, isso tudo faz eu não conseguir recordar algo mais bonito dentre as coisas que já fiz. talvez para vc seja estranho ler algo assim, uma frase tão supervalorada.

 

mas, diante desse mundo, em que quase tudo carece de um sentido, carece da mínima superação do horror cotidiano, assisto novamente o vídeo, vejo as fotos, dou várias risadas. porque sei que o daud e o caqui riem também, eu escuto-os, puta, yo sufro, e essas ondas saem daqui e vão até os rincões das selvas selvagens chamando-te balam! balam!

 

por favor: assista o vídeo em todos os seus minutos. pois a noção de tempo ali também é fundamental. assim como perca-se em tempo vendo as fotos, tem muito de você ali, vc sabe. é preciso deixar um poema enfrentar um trator, resistir às reformas na calçada da paulista, à chuva, aos dias.

 

e nada disso tem de milagre. isso é a própria vida.

 

 

 

aberto à visitação

até dia 12 de outubro

El Livro de Alan, volume ii

www.librodealan.wordpress.com

 

hay que destruir la idea del poeta

no hay cosa más aburrida que un poeta hablando de poesía

puta, yo sufro

 

Ellos también se están enamorando, sí, ya sabes, tú y yo causamos eso en la gente,

tenemos un amor viral, una alerta de virus corriendo como Spam por el alma de los

nuestros

 

moriríamos y no hay que morirse, we have decided not to die, sí,

 

 

praça da sé | av. general olímpio x r. olímpia de almeida prado

r. guatelama x av. brasil | av. paulista

 

são paulo/br

ana rüsche

+ mauricio kqi schuartz

+ rafael daud

 

El Libro de Alan, segmento i 

 

.

El Libro de Alan, segmento ii

 

 

gracias, manuzita!

Há certo estado em que não se deve escrever nada. Pode ser por vinhos inocentes que amigos te presenteiam “leva para casa, ana, sei que vc dá conta”. Por outros e-mails comovedores das amigas sobre o dia dos namorados.

 

Digo que se não escrevo aqui tanto ultimamente é porque ando com bloqueios. C'est le vie. Porque meu coração está hiperconectado, um anti-ciborgue que faz a luz fria cortar-se em carne, algo assim, que só mulheres com caras brancas gordinhas cheia de lua podem fazer. As regras devem servir para qualquer coisa. Talvez nos deixar assim comovidas, para burra... ah, mocó...

 

* mocó-das-letras.blogspot.com

rapidinhas

O gesto continua lá. Ganha um livro quem encontrá-lo na calçada central da Av. Paulista, exatamente entre o MASP e o Parque do Trianon – que lugar cabalístico, embaixo do relógio - e me mandar uma foto!

 

Parece que os tratores irão destruir isso logo, amanhã passo por lá para ver as obras do Kassab... A área já está isolada. Claro que dei uma passadinha por baixo da faixa de isolamento, praticamente uma gringa tirando inocentes fotos.

 

Kiwi convida para Oficina de Teatro esse final de semana.

 

Extra! Extra! Bomba que recebi para o Concurso Anti-Poesia Coelhos João. Deus do céu, Gegê, puta-que-pariu! Comentarei com a devida calma cirurgiã.

 

"Ana e todos, acabo de terminar minha contribuição para o Movimento Anti-Poetry.

 

E, como o mundo gira sempre surpreendentemente (na verdade, já nem fico mais surpreso) nas mesmas engrenagens, trata-se de um palíndromo!

 

Deu trabalho, mas traduzi para a língua portuguesa as 1272 palavras, 7641 caracteres, do maior palíndromo já escrito, o do Perec. Botei no Dragão, que assim fica ressuscitado (faltando agora apenas a FNX, que claramente fez mal em mudar de nome)".

 

EVERYWOMANADORESAFASCISTEVERYW

Ainda naquela tese que eu poderia preparar um semestre de curso apenas sobre poetas mulheres suicidas pós-década de 50. E saiu mesmo especial sobre a Ana C. na TV Cultura, Entrelinhas (dá para assistir aqui).

 

 

 

EVERYWOMANADORESAFASCISTEVERYW

 

engana-se, querida,

não consegui desfrutar 1 mísero minuto

de meus curros confinada por assuntos no elevador

sabe, o todo-dia-pelo-ouvido? - esse primeiro hímen que estala verde na infância, minhas saias com 8 anos.

 

           EVER Y WOM ANA DORES A FASCIST EVERY

 

tento, invento-me vento como tu,

aos ares!, lá não se jaz apertado,

contudo, a verdade é que não nos poupam, mesmo que nossos olhos sejam claros como sirenes de polícia

 

                           EVERYWOMANADORESAF ASCIS T EVERY WOM ANA

 

e não te enganes, querida,

mesmo que estejas no ares

teus versos te prendem, amarram-se nas linhas de cerzir de meu dedos, mandingas.

 

                                  EVERYWOM ANADOR ESAFAS  CIS  TEVE RYW OMAN DORES

 

ah, queria eu detetizar o mundo com versinhos).

 

 

Não, não me mato – eu estou aqui, não estou?

 

[NOVO VÍRUS] e ganho a aposta!

pronto! eba!

 

agora que poemas invisíveis proliferam na rede, hoje começa a nova “coisa”.

 

será lindo, te prometo. feito com todo o afeto de galáxias que se beijam e se encontram. agora posto lá até o dia 12 de junho. depois ficará para visitação por prazo determinado. hehe, sim, benjamín, vamos gerar alguma angústia irreprodutível nesses leitores.

 

el libro de alan

volume ii

 

de 12 de junho a 12 de outubro de 2008

em www.librodealan.wordpress.com

 

 

 

Ps.: Se alguém quiser participar ainda... pode me escrever... sei que há candidatos: anarusche_gmail.com.

outro vírus [suspense]

Bem, já que ninguém aceita o concurso assim a sério (nem eu), começo a trapacear. E digo que ganharei com vantagem.

 

Claro. Se o Brecht disse que todo homem de negócio é um ganster, digo todo poeta é um contrabandista. Sou do tipo C + estelionatária.

 

Entonces, dessa vez, manterei o suspense, bagunçadamente as usual. Olha a cara desse tigre-fofura-radical. Até o final da semana que vem, ele se torna colorido novamente. Me acompanha.

quem linka o peixe
Number of online users in last 3 minutes
timeshare for sale