espaço 15 cm

Claro que estou em crise com relação ao blogue. Hum, stress definiria melhor – doenças de hoje em dia. Não encontro um espaço pelas manhãs para escrever e as noites me parecem tão ocupadas.

 

Mas hoje me veio o zuperplano que me faltava. Ainda não sei quando irei começar, aliás, comecei há umas três semanas sem o saber, talvez os mais ao longe só saibam no ano que vem, contudo a idéia está aqui nesses meus dedos que te escrevem pelas pontas. Hehe, estou feliz.

 

Por isso tudo, aqui se abrem férias ao Peixe. Dia 15 de agosto ou antes eu volto. E nada de reclamar: agora é a vez da zuperFLAP!

 

Com transmissões ao vivo. Com mil lugares diferentes. Com língua nativa portuñolesca como regra.

- Como era mesmo?

- Ah, no corre e no coração...

 

sobrevivência do peixe e fotos do shopping cidade jardim

Esse blogue passou por um perigo terrível. De vida. Sua mantenedora decidiu exterminá-lo impiedosamente (já tinha até começado a desenhar um peixe decepado para ilustrar com o devido humor negro a cena), dado que em certos períodos da vida misteriosamente decide destruir tudo que mais gosta para ver se as coisas melhoram. Alguns dos exemplos claros desse processo foram quando assassinou a narradora do Acordados com um suicídiou ou quando cortou os cabelos curtos – “bem, se não é possível mudar mais nada, que se mude o visual!”, foi a desculpa que festejou durante alguns dias. Apenas parou com a frase, pois colunistas-revista-claudia já estavam aplicando-na em seus designs de manchete fúcsia.

 

Contudo, alguma também misteriosa constelação salvou o Peixe desta feita. Algumas coisas talvez mudam. Mesmo que continue preso em um aquário, continua nadando.

 

Em círculos. Sem mais, posto assim as fotos do passeio nosso ao Shopping Cidade Jardim!

 

Arte.

 

Ao redor da torre, o fosso de cocô a céu aberto.

 

Turischtas! E não pensem que os animais andavam soltos.

 

As árvores foram preservadas para que constasse essa plaquinha (dizeres ilegíveis e inimportantes).

 

Cozinheiro festeja o ambientalismo.

 

Leve o terninho. E leve a boneca também vestida com o mesmo teu modelito.

 

O homem do pindura da Daslu.

desconcertos com barbão

Repararam que não ando divulgando muitos eventos? Pois sim, até porque existe o blogue fantástico do Marcelino (exato: como ele faz isso?). Mas abro exceçãozinha para o Barbão. Até porque não poderei estar... tenho um casamento amanhã de uma amiga querida... Bem, compareçam, o Desconcertos é algo que sempre vale a pena, as pessoas se sentem bem, ficam tranqüilas, relexadas. Eu gosto. Colo a mensagem do Claudinei querido:

 

"Os DESCONCERTOS NA PAULISTA são encontros com os escritores responsáveis pelo melhor da literatura brasileira contemporânea.

 

Eu convido o autor a trazer e compartilhar com o público três textos: um texto de um escritor reconhecido que considere seja muito importante para sua própria escrita; mais um texto de autoria própria, e por último um texto de algum novíssimo escritor que o convidado acredita ter potencial num futuro próximo. E em seguida, batemos um papo com o público. Sábado, 12 de julho, 18h, com o escritor, tradutor e editor MARCELO BARBÃO". Casa Das Rosas, claro.

aforismo

gerar realmente é algo do ventre. contudo, criatividade é poder somente outorgado aos homens. só a eles foi concedido o poder de mudanças.

recadito

sim, estamos cada vez piores da cabeça. o que é uma sorte. o caqui ainda não mandou as fotos da nossa excursão turística ao shopping cidade jardim – é tudo verdade. isso que ele disse que podia postar via e-mail e blablá, sei.

 

hoje teremos transmissão ao vivo do blogue da FLAP! não perca: 18h em www.flap2008.wordpress.com.

visita ao shopping cidade jardim

postagem do blogue do daud, julho 08, 2008

Sem humor

Em Gotham City é muito difícil manter o humor.

É preciso manter o humor, você sabe. Aliás, foi você quem me ensinou isso.

Você que, naqueles anos, quando descobrimos que o apocalipse estava próximo, e você cuidadosamente me explicou que não era porque se aproximava, mas porque ainda não tinha se afastado o bastante, você manteve a chama acesa, firmemente.

Pensavam que você era de ferro, se lembra? porque você mantinha o bom humor. Agora o problema é que é muito mais difícil manter o bom humor, como é difícil não ter pena de nós mesmos nunca nunca.

Eu mesmo vivo reclamando, puta, eu sofro, e a gente sabe que não há motivos ainda, porque ainda não foi o melhor que nos aconteceu, e não terá sido o melhor ainda. Você mal perde por esperar.

Atravessando a tal ponte estaiada, que não só tem aquele mau gosto repetidamente pensado, que alguém inclusive se ocupou de justificar de alguma maneira bem ridícula, mas que é também iluminada com um mau gosto bastante sintomático, que até me faz pensar em cozinhas mal iluminadas, eu tentei pensar no que estava fundamentalmente errado, e evitar a crença na vingança pronta e conveniente de um deus irado, mas justo, e evitei pensar também na impossibilidade de uma seita armada, porque sabemos que os suicídios com bombas existem quando entre o imaginário de uma classe e o de outra se ergue um muro, e as nossas classes não têm muros entre seus imaginários, que são na verdade bem iguais e moram numa fazenda com cercas vivas em volta, e os muros que se erguem entre elas são reais e portanto só permitem o suicídio privado, catorze comprimidos de paracetamol, número bastante consistente, de resto, mas a verdade é que, mesmo por isso, consegui apenas pensar que não seriam o bastante, porque as pessoas que vivessem dessa maneira, conjugo mal, as que vivem e viverão dessa maneira terão necessariamente de ser pessoas exageradas, elas terão necessariamente que se lembrar de seus primeiros beijos porque lhes faltará a vivência de qualquer outra coisa que não tenha nome, e principalmente lhes faltará a vivência de qualquer pessoa que não tenha sobrenome, e por isso precisarão fazer de seus primeiros beijos algo a ser lembrado, inclusive escreverão livros valorizando a importância da memória, como hoje se ouvem poetas falando de poesia.

Você não estará por perto, veja, nós estávamos lá quando tudo isso aconteceu, nós vimos os homens andando como se tivessem morrido, como você observou, mas não estaremos lá quando a tragédia se abater sobre eles, e não haverá testemunha alguma dessa tragédia, nem mesmo eles, desde já mortos demais para que possam senti-la, e pressinto que será mesmo por aí que essa tragédia os alcançará, porque não podem sentir, e se recusarão a ver, como Édipo.

Nosso destino será outro, a nós nos acompanhará ainda a angústia, para sempre renovada e sempre a cada vez que uma vida nova se apresente diante de nós, uma vida que ameace nascer, que não pergunte muito sobre nosso talento para lidar com ela, não nos pergunte muito se estamos em condições de sustentá-la pelo que for, e principalmente não pergunte muito se estamos à altura dela.

E estaremos, eu digo pra você, e estaremos, e eu sei que estaremos porque levamos as coisas a sério mesmo e ainda quando falamos com humor, e, sendo poetas, acreditamos em nossas metáforas ao ponto de que elas possam também não ser mais metáforas, e quando estamos diante de uma nova vida sabemos que pode ser mesmo um recém-nascido, uma criança que vai crescer e viver sua própria vida, e se tornar um dia algo como o que nós mesmos nos tornamos, isto é, um abismo profundo, um buraco-negro, e assim como terá sido amada, também amará vigorosamente, ternamente, e porque sabemos de tudo isso, e nos angustiamos, sabemos também que ela se angustiará, talvez mesmo mais que nós, e por isso aumentamos nossa própria angústia, mas veja você, vai ser lindo, e nós teremos estado lá, o tempo todo, e não vamos perder um momento sequer.

Isso eu prometo a você, e você sabe que eu não estou só fazendo humor.

Publicado pelo homelupus em julho 8, 2008 01:35 AM

Comentário, dia 9 de julho

[posto no Peixe mais tarde]

A primeira vez li a mensagem inteira, até os ossos e lágrimas. Não há outra maneira de explicar como li, estou brega ultimamente. Na realidade, não: o conceito do que seja exatamente brega é o que distorce as coisas. Neste parágrafo importa dizer ainda que na segunda vez que li, já estava tão cansada que desisti, é terrível não conseguir descansar a cabeça nenhum segundo, porque você simplesmente está dentro dela.

Ao conceito de brega: o tal shopping para AAA – focado em pessoas com mais de um milhão de reais. Mausoléu a meia luz, um grande motel ampliado, onde ninguém se toca, com espécimes arbóreas absolutamente artificiais – como se a natureza que prestasse devesse ter a aparência plástica – em lugar de espelhos no teto, o lúgubre das bossas novas pelos ares e sprays ventiladores ininterruptos para evitar qualquer cheiro do rio que menstrua cocô morto lá embaixo. Inventam essa de carregadores de sacola. Uma bolsa de 200,00 reais encontra-se até no Promocenter, mas é exatamente pelo carregador de sacolas que se vai até lá. Perder a vergonha de ser rico. Ou de tentar ser, claro.

Assim, o brega torna-se simples de definir: a agressividade sem fim de manter-se num lugar que não te pertence. Como isso daí, um shopping desses nesse paisinho, com um rio sólido de cocô na frente e cadáveres que te esfaqueiam as pernas, as mãos fantasmagóricas dessa gente sofrida que morre quando foram expulsos à bala para construir teu túmulo em vida. Restam os fiapos de favelas como vizinhança. Seqüestrarão teus filhos gordinhos, já tão entupidos de potatos, infartos aos 16 anos de medo, de fome calculada pela moda aos 17, de qualquer tipo de experiência sexual e droguitas entregues pelos seguranças aos 18. Adultos finalmente mortos, tão mortos. Por isso é necessário que alguém carregue as sacolas, permaneça com os rádios ligados vigiando, ligados, os ventiladores no teto circulam o ar, circulam, e toca essa bossa nova alegre.

Aí penso na mensagem que me escreveu - até agora, durante anos, realmente continuo sem lembrar o sobrenome do Tomás, claro que é uma vergonha, ainda mais se sentei durantes anos na carteira de frente à dele, num colégio que o sobrenome é o nome mais comprido, mas não quero mais lembrar coisas passadas há anos, isso faz mal, descobri. Por isso a cabeça é um lugar inóspito, com ventiladores que também nunca cessam e daqui não se pode sair.

Acho graça em várias coisas, sim, o bom humor. A caixa promocional de 20 comprimidos de paracetamol, suicide-me, adoro. Um hit absoluto. Contudo, alguma coisa me foge. Essa vontade irresistível de desistir das coisas, tem algo de muito confortável nisso, quase a almofada que vc ganhou no congresso de psicanálise. Que esses ventiladores no teto parem e eu possa ouvir o silêncio um pouco. A grande pergunta é: porque eles têm esse direito de estarem tranqüilamente mortos, a paisana, circulando em corredores quadrados por horas, e a gente aqui, entre mensagens desesperadas, sei lá se utópicas, aos ossos, barrancos e lágrimas? Digo que tenho a resposta: seria realmente brega se você fosse também um morto. Por isso, güenta o tranco. Como os mortos nos cantam, here we go.


***********************
Resposta ao Comentário

Também li duas vezes, o que vc escreveu, e me peguei (até os ossos, até as lágrimas) das duas vezes, no final, com a mesma pergunta, que também não consigo responder, e finalmente me vem a imagem do Odisseu amarrado ao mastro do navio, resistindo ao canto das sereias; e então me lembro finalmente daquele texto do Benjamin, sobre o texto do Kafka, O silêncio das sereias, você lembra? Não sei, tanto faz, você tem razão, foi o dia inteiro isso, pra mim também, e você tem razão, que nem diz meu professor de tai chi: ainda tem muito serviço pra fazer.

mede-se o amor por cartões

 

--cort--ndo, vc me escuta? --la fala de amamentação, sigo triste assim um pouco mulher. contigo isso passará. jogo de futebol de salão?, não acredito! os desaparecidos sim faziam uma exposição, os que foram desaparecidos. o cara então contou sua história, quando foi o 1º palhaço da franquia... te disse hoje que adoro escutar tua voz? um minuto é ainda muito temp|

sigo sem título

Precisava encontrar um poema para esse blogue. Contudo, estou com falta deles - estranho, não? Acho que preciso dar um tempo. Agora tenho que ir fazer minha última prova na Letras (será? me formar? never know). Então, vc fica com a Lelê, que estará ao vivo às 21h aí embaixo.

 

Tô pensando também em fazer algo ao vivo com certa peridiocidade... sei lá... o duro é que tenho vergonha de câmera – o tigre de pelúcia que teria que assumir.  Mas é uma ferramenta... Bem, aproveitando a confusão mental geral, futrico meus dois neurônios cansados no tema.

 

 

 

 

.TV online : provided by Ustream
quem linka o peixe
Number of online users in last 3 minutes
timeshare for sale